16/05/2015

arte de Vladimir Kush

Talvez nossos sonhos estejam lá para serem destruídos, e nossos planos estejam lá para desmoronarem, e nossos amanhãs estejam lá para se dissolverem no hoje, e talvez tudo isso seja um gigantesco convite para acordarmos de nosso sonho de separação, para despertarmos da miragem do controle, e abraçarmos de todo coração o presente. Talvez seja tudo uma chamada para a compaixão, para um profundo abraço deste universo em toda sua bem-aventurança e dor, em sua glória nem sempre doce. Talvez nunca tenhamos realmente estado no controle de nossas vidas, e talvez sejamos constantemente convidados a nos lembrar disso, já que constantemente esquecemos. Talvez o sofrimento não seja o inimigo e em seu âmago exista uma lição pessoal e em tempo real que devamos aprender, se quisermos ser verdadeiramente humanos e verdadeiramente divinos. Talvez a ruptura sempre contenha um avanço. Talvez o sofrimento seja simplesmente um rito de passagem, e não um teste ou punição, nem um sinal de algo no futuro ou no passado, mas um sinalizador do mistério da própria existência, aqui e agora. Talvez a vida não possa 'dar errado', afinal .  (Jeff Foster)

Um comentário:

Dra. Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Helenice, é verdade, vivemos num sonho, um mar de ilusões, às vezes a vida nos chacoalha com força para ver se despertamos...
Bjs e ótima semana