01/05/2013

Arte de Rodin


Transeuntes eternos por nós mesmos, não há paisagem senão o que somos. Nada possuímos, porque nem a nós possuímos. Nada temos, porque nada somos. Que mãos estenderei para o universo? O universo não é meu: sou eu. (Fernando Pessoa em "Do Livro do Desassossego)


2 comentários:

Cristiane Marino disse...

Lindo demais! Adoro Fernando Pessoa.
Bjs e ótimo final de semana!

Nádia Dantas disse...

Muito bom vir aqui, Helen.
Pessoa... amo!

Uma semana de Paz e Luz pra você!

Beijos :)