02/03/2013

(arte de Bruno Catelano)



O homem não é uma coisa e muito menos uma coisa estática, imóvel, em cujas profundidades jazem estrelas e serpentes, jóias e animais viscosos.
Flecha retesada, sempre rasgando o ar, sempre adiante de si, precipitando-se para além de si mesmo, disparado, exalado, o homem avança e cai sem cessar, e a cada passo é outro e é ele mesmo.  (Octavio Paz)







Um comentário:

Cristiane Marino disse...

Olá Helen,

obrigada pela visita, adorei todos os seus blogs.
Estou te seguindo também.
Abraço