02/03/2009


Dá-nos a tua paz.

O mundo é incerto e confuso,

O pensamento não chega a parte nenhuma da Terra,

O braço não alcança mais do que a mão pode conter,

O olhar não atravessa os muros da sombra,

O coração não sabe desejar o que deseja

A vida erra constantemente o caminho para a Vida.


Dá-nos, Senhor, a paz, Cristo ou Buda que sejas,

Dá-nos a paz e admite

Nos vales esquecidos dos pastores ignotos

Nos píncaros de gelo dos eremitas perdidos,

Nas ruas transversais dos bairros afastados das cidades,

A paz que é dos que não conhecem e esquecem sem querer.


(Fernando Pessoa in Poesia de Álvaro de Campos)


arte de Ben Heine


Um comentário:

Vieira Calado disse...

Fernando Pessoa ou Álvaro de Campos é sempre um gosto revisitar.


Bjs